Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O CARTEIRO DA SAUDADE

A memória dos tempos passados é feita de objectos que a perpetuam. Aqui, cada peça conta uma história. E existe a possibilidade de ambas passarem a fazer parte da sua vida. Não falamos de antiguidades, falamos de peças com história. Desfrutem!

O CARTEIRO DA SAUDADE

A memória dos tempos passados é feita de objectos que a perpetuam. Aqui, cada peça conta uma história. E existe a possibilidade de ambas passarem a fazer parte da sua vida. Não falamos de antiguidades, falamos de peças com história. Desfrutem!

Antero de Quental: o Poeta Rebelde

Mãe — que adormente este viver dorido,
E me vele esta noite de tal frio,
E com as mãos piedosas ate o fio
Do meu pobre existir, meio partido...

 

(Soneto «Mãe...», Antero de Quental)

 

 

 

Antero de Quental (1842-1891) nasceu e morreu na cidade de Ponta Delgada. Viveu 49 anos; preferiu não completar meio século de existência, pondo fim à sua vida, num banco de jardim, na sua cidade natal. Sofria de um distúrbio bipolar; mais uma vítima de uma longa depressão.

 

Filho de um combatente liberal, durante a sua vida, Antero dedicou-se à poesia, à filosofia e à política. Aos 16 anos abandonou os Açores e foi para Coimbra, onde estudou Direito. Depressa se apaixonou pelas ideias socialistas, havendo sido um dos fundadores do Partido Socialista Português. Em 1861 publicou os seus primeiros sonetos, seguindo-se muitos outros, constituindo das mais belas composições da língua portuguesa.

 

Em 1991, o INCM decidiu homenagear o grande poeta português com a emissão de uma moeda de 100 escudos em cupro-niquel. 

 

 

 

 

 

 

 

 

Sigam-nos no Facebook: https://www.facebook.com/profile.php?id=100007072242118
Sigam-nos no Pinterest: http://pt.pinterest.com/DonaHistoria/
Sigam-nos no Twitterhttps://twitter.com/Dona_Historia

 

 

Televisões de Antigamente

DSCF1515.JPG

 

 

A televisão em Portugal começou a ser emitida regularmente a partir de 7 de Março de 1957, sendo um grande fenómeno nacional. Inicialmente, as pessoas dirigiam-se aos locais públicos para poderem ver a TV, pois eram poucas as pessoas que naquela altura tinham aparelhos de televisão.

 

Este fenómeno teve grande aceitação logo de início no nosso país e começou, aos poucos, a mudar o serão, o entretenimento e até a cultura.

 

A peça, que aqui hoje trazemos, data da década de 1970. É um televisor pequeno, com caixa vermelha. Por ele passaram os grandes sucessos da TV portuguesa dos anos 70 e 80. No seu écran passou a novela brasileira «Gabriela», a declaração do MFA no dia 25 de Abril, o Dartacão, o Topo Gigio, os Marretas, o Zip Zip, o Você Decide, o Duarte e Companhia, O Tal Canal...

 

Pertencia a uma jovem família, jovem nos anos 80, natural de Lisboa. Sempre permaneceu nas mesmas mãos, sobrevivendo à televisão a cores, ao cabo e, por fim, à TDT. Contudo, começou a ocupar muito espaço em casa, e os donos querem vender esta relíquia, que ainda funciona...

 

 

 

 

 

Sigam-nos no Facebook: https://www.facebook.com/profile.php?id=100007072242118
Sigam-nos no Pinterest: http://pt.pinterest.com/DonaHistoria/
Sigam-nos no Twitterhttps://twitter.com/Dona_Historia

Medalha Afonso Costa: o obreiro da República

DSCF1189.JPG

 

 

Afonso Costa nasceu no Concelho de Seia, na Beira Alta, a 6 de Março de 1871. Em 1888, entrou na faculdade de Direito da Universidade de Coimbra, sendo um dos melhores alunos do curso. Em 1896  já era professor da Universidade, e em 1900 tornou-se professor catedrático.

 

Depressa entrou na política, defendendo as ideias republicanas. Em 1900, ingressa na Câmara dos Deputados pelo Partido Republicano.  Em 1906, proferiu um violento discurso nessa Câmara durante o debate sobre os adiantamentos à Casa Real. Nele, afirmou, no meio da balbúrdia que "por muitos menos crimes do que os cometidos por D. Carlos I, rolou no cadafalso, em França, a cabeça de Luís XVI!". Tratou-se de uma declaração de guerra, clara e inequívoca, do Partido Republicano ao regime monárquico, concretizada em 1908.

 

Com a implantação da República, Afonso Costa assumiu a pasta da Justiça. Iniciou reformas claramente anti-clericais, que contribuíram para o aumento da impopularidade do novo regime junto da população e da ala conservadora do republicanismo. Mas o ministro da Justiça e dos Cultos não cedeu às pressões e continuou com a política de afirmação dos valores laicos da República e de separação do Estado das igrejas, instituindo também o registo civil obrigatório. 

 

 

Para saber mais sobre a peça: http://olx.pt/ad/medalha-afonso-costa-1871-1937-IDw9g99.html

 

 

Sigam-nos no Facebook: https://www.facebook.com/profile.php?id=100007072242118
Sigam-nos no Pinterest: http://pt.pinterest.com/DonaHistoria/
Sigam-nos no Twitterhttps://twitter.com/Dona_Historia

Conhece esta medalha?

DSCF1439.JPG 

O Atletismo, propriamente dito, nasceu em Portugal em 1910, ano em que ocorreram os Jogos Olímpicos Nacionais, evento organizado pela Liga Sportiva de Trabalhos Eclécticos e a Sociedade Promotora da Educação Física Nacional.

 

Este tipo de torneios durou até 1914, quando foi fundada a Federação Portuguesa de Sports, entidade que durou 2 anos, extinguindo-se em 1916. A 5 de Novembro de 1921 seria fundada a actual Federação Portuguesa de Atletismo, sob a inscrição de Federação Portuguesa de Sports Atlécticos. Como entidade unidesportiva, desde então, tornou-se no organismo coordenador da prática desportiva do Atletismo em Portugal.

 

DSCF1441.JPG

 

Para mais informações sobre esta peça:  http://olx.pt/ad/medalha-federao-portuguesa-de-atletismo-IDwhgaD.html

 

Sigam-nos no Facebook: https://www.facebook.com/profile.php?id=100007072242118
Sigam-nos no Pinterest: http://pt.pinterest.com/DonaHistoria/
Sigam-nos no Twitterhttps://twitter.com/Dona_Historia

 

Passar a roupa nos Anos 70

 

Ontem como hoje, passar roupa é, pelo menos na minha opinião, um tédio! Contudo, nos anos sessenta e setenta, as coisas não eram tão fáceis como agora. Falemos dos ferros de engomar. Não, não eram levezinhos como os da actualidade! Pelo contrário, eram bem pesados e pegavam com muita facilidade.

 

Na década de 70, como praticamente ainda hoje, não se fabricavam ferros de engomar em Portugal. Pelo que era necessário importá-los dos mais variados países. O ferro que aqui apresentamos é disso exemplo. Importado por uma pequena empresa lisboeta, é oriundo da Polónia e exibe a marca UNIVER. Já tem mais de 40 anos e parece novo!

 

 

 

 

 

 

 

Para mais informações sobre a peça: http://olx.pt/ad/ferro-de-engomar-vintage-IDwcCP9.html

 

 

 Sigam-nos no Facebook: https://www.facebook.com/profile.php?id=100007072242118
Sigam-nos no Pinterest: http://pt.pinterest.com/DonaHistoria/
Sigam-nos no Twitterhttps://twitter.com/Dona_Historia